Saturday, December 29, 2012

Gravidade

O chão pesa. É uma vibração recorrente que remete a uma gravidade maior, embora esteja claro que não é bem assim. É um peso extra que não vem de mim ou pressão externa. É o de fora, o alienígena, pesando e mostrando que está ali, que inverte a sensação de mundo e acolhimento.

Soa como se fosse um trabalho excessivamente dispendioso. Cheira ocre, onde a doçura inicial é difícil de perceber nas últimas notas. Um tabu sem motivações, onde o desejo por fazê-lo não estaria inibido por pressões externas. É um jogo de caça. É um palco para desinibições sem público para apreciá-las. É um teatro pueril, onde pouco importa o júbilo se não há outros para contemplarem seu sorriso.

Ainda acordado, penso se os passos ainda são pesados. E ainda o são. Bem vindos à terra esquecida e desapareça no vento. Aventure-se sabendo que existe a vontade e a não aceitação dela. E aventure-se sabendo que nada aqui dito é real ou ilusório, ou mesmo pessoal.

O chão pesa. E não é o meu chão.

5 comments:

Izabel said...

Olá...

Belo texto, embora o significado sempre se reserva para aquele que o escreve, e nunca para o leitor, pois a este, cabe apenas uma interpretação única e individual...

De qualquer modo, subjetivos ou subliminares, gosto dos teus escritos... justamente por não conseguir decifrar-te ou decifrá-los...

Aproveito pra te desejar um Feliz Ano Novo, e que 2013 seja um excelente ano, para todos nós...

Beijos ;)

Nicole Nicolela said...

O que nos diz respeito, somente a nós cabe. São teus passos, sr. Monjh

Monjh - Senhor dos Muitos Nomes said...

Izabel: feliz passagem de ano. Boa bebedeira/confraternização/blá. O texto é algo que remete ao título: epifanias. ;)

Nicole: Não necessariamente são meus passos.

Nicole Nicolela said...

Sr. Monjh abandonou o facebook, ligeiro e na maior discrição...

Monjh - Senhor dos Muitos Nomes said...

Facebook é chato.