Tuesday, July 03, 2007

Nas canções de um cigarro, II (Melissa e as Minas Gerais IV)

Lentamente levanta-se de sua cadeira, e passos calmos em direção à saída, enquanto Alencar deixava uma nota ou duas de valores quaisquer sobre a mesa. Segue-a até a porta, braço esquerdo na cintura da jovem, conduz o corpo até Melissa. Beijos e mãos parecem não ser o ponto que deseja, estava por demais acostumado à boemia para apenas isto satisfazer sua ânsia do novo. Suspira, mãos atadas às dela, caminha em direção a um carro, abre a porta e convida-a a entrar. Não sabendo se a expressão na jovem provinha de medo, surpresa, estranhamento, receio ou qualquer combinação, se faz de desentendido, e segue rumo, dirigindo até um ponto alto.

Para o carro, abre a porta de Melissa e convida-a a observara vista. Vai ao carro, pega uma garrafa de Whisky do guarda-luvas e volta ao local, onde Melissa observa a cidade por alto.

_Nossa... nunca pensei em olhar a cidade assim.
_Ficamos tão presos na rotina que esquecemos do óbvio. Esquecemos dos pedaços de paraíso da cidade.
_É...

E assentou-se na palavra, fitando o horizonte. Seu olhar era de tal maneira compenetrado que esqueceu do barulho de alguns casais ali perto, de eventuais motoristas que ali passavam, da poluição lá embaixo, de tudo... E Alencar observava com atenção, brincando com as palavras para ver o quão grande estava o sonho de Melissa. Sorriso de menina, palavras de mulher, ela parecia perdida naquela imensidão, utopia que Alencar dificilmente idealizara.

E então que Alencar deu-se conta dos olhos e da pessoa que havia tocado. Tal qual feitiço, deixou cair a garrafa, o cigarro, e deu um só beijo em Melissa. Beijo este que durou até horas depois, quando os dois já havia esquecido de tudo e todos, e deixaram o céu ser a morada, quando os primeiros raios do sol já tocavam seus corpos. Por aquele momento, por aquele breve momento, onde deixaram tudo esvair da mente e alma, tocaram os sentidos além da percepção, e além do que até então conheciam.

Por um momento Alencar sonhou, e ousou ser capaz de amar...



*Leiam no blog da Raysla os capítulos anteriores*

1 comment:

antonio said...

é