Monday, July 09, 2007

Eu me sinto esquisito, sempre. Sinto tal qual correntes que querem me segurar aqui e não me deixar ser. Tal qual força que impede que os rumos voem para todos os lados, e que eu sinta o ar das nuvens.

Eu queria sentir a brisa da manhã no rosto sem medo do amanhã. Eu queria morder o vento sem ter de me preocupar com a grana que preciso para comer. Queria viver... ou sei lá.

Me acho esquisito. Sou assumidamente egoísta, orgulhoso e ranzinza, e ainda assim protejo a todos que amo. Quero sempre seu bem, seja como for, e que cada um encontre o seu pedaço de felicidade. Talvez o conceito seja, em si, um paradoxo inverso... ou nada disso.

Quero que eu possa tocar os céus. Quero ter a alegria de um filho, ou dois, ou mais. Quero sorrir sem receio do que posso sentir, ou viver. Quero... mais da vida. Quero ser, e me sentir vivo.

Ou eu vou pro mato para respirar ou volto a ser nômade.

4 comments:

Raysla Camelo said...

Viver e não apenas existir!
É isso que eu estou tentando.
Um dia a gente consegue, Monjh.
E sabe o que eu descobri?
Que sei exatamente o que devo fazer para me sentir viva, me sentir Raysla... e sei também que vai demorar muito para eu conseguir me organizar... mas eu já comecei e aos pouquinhos, quem sabe, eu poderei colocar a minha cabeça sobre um travesseiro com um singelo sorriso natural nos lábios.

Eu sempre falo demais nos meus comentários, né?

É que eu me empolgo com seus textos.

beijos.

Danie said...

Hoje em dia, respirar tá dificil. Imagine viver a vida maravilhosa que sonhamos!

otimo blog...otimo texto =*

Bella...=^.^= said...

nao precisa ser nomade pra viver tudo isso.
basta so encarar o medo e deixar as incertezas pra qdo o amanha chegar..

bjosssssss

Bruno said...

Gostei muito do post, e concordo com muitas coisas aê...

Mas a parte do filho... Vamo deixar pra depois néh???

Filho só estraga a vida da gente... Por isso que eu vou querer que meus gêmeos (aham, vão ser dois, dãr) nasçam só quando eu estiver com uns trinta anos, quem sabe...

Abraços :D