Thursday, June 14, 2007

...

Não, não há coesão. Estou cansado de paciência, de zelo e respeito levando patada, sendo trovejado por humores pré-condenados e indisposição. Não, não há... um pensamento.

Estou cansado de fingir que está tudo bem quando não está. Estou cansado de dizer ao mundo que as estrelas brilham mais alto e que o céu é o limite. Estou cansado de ser algo que não acredito.

Eu sou pessimista pela própria razão de sê-lo. Eu perco a natureza e a vazão para a esperança de melhora na prova da degradação, da falta de unicidade. Eu perdi meu rosto na chuva não porque tardei em encontrá-lo, mas porque não havia mais rosto a se perder em qualquer outra estação.

Eu não sei dizer o que há, se coerção ou falta de entendimento. Eu não sei aonde está o coração do planeta, eu não sou um super-herói a salvar seu dia, quem dirá o meu! Eu não sou, nem tenho... nada a ganhar ou perder encontrando respostas insolúveis.

Se são palavras ao acaso, são minhas e de mais ninguém. Se é um tiro no escuro ou um grito que se perde no silêncio é meu para ser exposto, e não há nada a se dizer sobre isso.

Me ludibrio pensando que sou maior, que sou melhor ou mais plausível. Ludibrio o mundo, o mais engraçado. Eu pouco me fodo, ou melhor, só me fodo, com o que há depois da cerca da minha casa, e sei lá como dizer algo a isto! Eu só tento... viver. Ser algo em que acredito, sou e tenho... fé?

Que fé pode alguém ter em um mundo desolado pelo próprio medo do fracasso? Que fé pode haver em palavras que não bastam para expressar o que os olhos sentem e o corpo toca? Que fé há no mundo com tamanho paradigma de estabelecer a paz pela guerra verbal pelo descargo de consciência?

Há algo mais a dizer?

10 comments:

Raysla Camelo said...

Bom, vamos por partes.
"Estou cansado de fingir que está tudo bem quando não está".
- Eu estou cansada de ser sincera demais dizendo o que está ruim ou bom na vida. No fim, ninguém se importa mesmo. É como Shakspeare disse: "depois de um você aprende que não importa o quanto você se importe... algumas pessoas simplesmente não se importam". Ninguém tá nem aí com as dores e gargalhadas alheias, a não ser as pessoas diferentes de coração, que, por sinal, são raras.

"Estou cansado de ser algo que não acredito".
- Ah! Eu também. E eu estou descobrindo que é essa obrigação ridícula de seguir uma tal "tradição de valores" que me fez entrar na vala da depressão. Temos que fazer coisas que nos deixam felizes e que não seja crime! Religião, fama, o escambal, nada disso é motivo para conter uma vontade.

"Se são palavras ao acaso, são minhas e de mais ninguém. Se é um tiro no escuro ou um grito que se perde no silêncio é meu para ser exposto, e não há nada a se dizer sobre isso".
- É exatamente isso que sinto quando desabafo dizendo que não estou bem, que tenho medo de fazer certas coisas radicais pra mim, que sofro por um amor platônico, que adoro sexo mas não o faço sei lá por qual motivo. É o que eu sinto e ponto final. Não digo nada para que concordem comigo, digo apenas para dizer, para expor. A verdade é que existem pessoas que mudam de opinião facilmente... nos não somos essas pessoas que existem... não dessa forma.

"Me ludibrio pensando que sou maior, que sou melhor ou mais plausível".
- Eu sempre sou a menor, a pior, a mais feia, a mais tola, a mais burra, mesmo que no fundo, no fundo. O que acontece é que eu sei bem do meu potêncial, sei que posso ser agradável a qualquer pessoa, em qualquer momento, mas não sei me gostar no meu ambiente naturalmente imposto pelo destino babaca de me colocar num lugar de cultura politicamente santa e certa. Eu gosto é do auê, da cachaçada, da libidinosidade, da liberdade de expressão! Aí sim eu consigo me sentir nem maior nem menor, simplesmente dentro dos meus limites, porque ultrapassar nosso limite é uma idiota ousadia demasiada, e não atingir a linha limite é apenas existir, não viver.

Há algo mais a dizer?

Sim, pra mim, nesse comentário, há!

Essas palavras são apenas as impressões que tive desse texto. Me fez pensar muito e me ajudou a pensar sobre mim. Minha psiquiatra mandou eu dizer a ela quem é Raysla, eu não soube dizer... com mais outras consultas fui aprendendo a me redesbrir... e sabe, esse seu texto contribuiu. Acabei de descobrir que não sou o que realmente sou porque sou grande demais para essa sociedade em que estou! Muito sonho, muito desejo e pouco espaço. É como se eu quisesse desenhar o mundo inteiro, detalhadamente e só tivesse tela para desenhar o meu quarto.

Tô falando demais, aqui.
Mas é que deu vontade... e a internet não é tão repressora quanto os princípios e pudores reais... ainda não!

Beijo, Monjh.

jardim_de_pedras said...
This comment has been removed by the author.
Christiano Quintaneiro said...

Eu sempre fui criticado por dizer "vou indo" ou "tá uma merda" quando me perguntavam se tava tudo bem, mas acredito que ser pessimista por ser é exagero...acho que ser realista seria mais acertado.

Super-heroi ou não, você já salvou muitos dos meus dias e muitas das minhas noites vazias e posso apostar que fez isso por muita gente, talvez mesmo sem perceber que era isso o que estava faznedo. Eu te chamaria de SUPERBABACA.

E sobre a FÉ, acho que mesmo que não entendamos o porquê de ela existir num mundo tão desolado, o fato é que ela existe e nos resta apenas fazer ou não parte do grupo que a alimenta, ser ou não alguém que acredita nas possibilidades de melhora.

E Monjh, acredite, se não houvesse mais nada a dizer, não haveria nada a viver, e teríamos de nos acovardar diante do mundo e esperar a morte. Seria um tormento maior a espera da Morte do que a vida em si.

Forte abraço.

Mah said...

Nada mais a dizer.
Que bom que disse. Tudo.
Saudade

Chico said...

Arranja uma mulher e se despreocupa, meu filho...

Carregar todas as dores do mundo é o mal do poeta...

sente, relaxe e goze.

monjh said...

nem é questão de carregar o mundo, e sim de me decepcionar com ele.

jardim_de_pedras said...

Arranjar mulher nada.



Ele já tem uma! ¬¬

Bia Ferreira said...

Não há mais nada a dizer, de fato.
Teu texto me tocou, acho que me sinto assim também às vezes.. pior, acho que alguém se sente assim em relação a mim também... o problema é que projetamos no outro as nossas angustias.. sempre achamos que o outro é mais forte.. não é.

Bella...=^.^= said...

nossa, filho.
qto cansaço...fikei fadigada rsrssrs

cuida da sua alma e do seu coração, amado.

bom findi..

bjussssssss

Bia Ferreira said...

Ah, vou responder tua corrente sim, deixa só eu terminar de publicar o conto que eu dividi em quatro partes.. beijos