Wednesday, November 29, 2006

Dream Theater - Finally free

"Doutor, já te disse: eu não lembro daquela noite!" disse Nicholas, pela enésima vez ao seu psiquiatra. Ele estava cansado. Há tempos, seu irmão Daniel matou sua amada Victoria. Sim, ele era amante de Victoria, mas seu irmão sempre foi um canalha: traia Victoria pelos bares afora e nem a deixava sair de casa, tamanha possessão. Daniel havia conquistado Victoria quando jovem, embora soubesse que seu irmão era apaixonado com ela. Nicholas sempre pensou que todo o relacionamento poderia ser por inveja, mas tentou esquecer disso. E na noite do assassinato... só se lembra de quando Victória já estava morta, e nem sinal de Daniel.

"Doutor...", ele começou a dizer, mas foi interrompido. "Nicholas", disse o psiquiatra, "vamos tentar de novo. Só que dessa vez quero usar hipnose. Concorda?" Nicholas fez que sim com a cabeça. Depois de um tempo de preparação, Nicholas começa a lentamente se lembrar.

"Eu estou com o coração trepidando. Sei que vou encontrar Victoria em breve. Engraçado, estou com uma dor ruim no peito, uma angústia... Eu... me sinto perdido... minhas mãos estão cansadas, pesadas. Eu olho para baixo, para minha mão direita, mas só vejo um borrão. Eu corro. A angústia aumenta. Eu vejo, de longe, Victoria, conversando com um homem. Eu me aproximo. Victoria se assusta. Eu olho o homem... mas não vejo seu rosto. Eu me encho de ódio e atiro uma... duas... três vezes nele. O homem cai. Eu sinto um pesar como se perdesse parte de mim naquele instante, como se tudo fosse diferente... Victoria chora, e atiro nela também, um só tiro, no meio dos olhos. Eu caio em prantos no chão, e olho pra poça d'agua à minha frente.

Eu sou Daniel."

1 comment:

Bia Ferreira said...

Assassinatos sempre me comovem...(se tiver um bom sentido pra isso, é exatamente o que eu quero dizer..)..
Daí a gente fica com aquela dúvida: quem é mesmo a vítima da história?? ótimo conto..

quem escolhe essas palavras toscas: "ikjkswlc", e eu errei!!